sábado , 29 abril 2017
Início / Dicas / 3 coisas que você precisa saber sobre o caminho do som no sistema auditivo

3 coisas que você precisa saber sobre o caminho do som no sistema auditivo

Muitos engenheiros de áudio são preocupados sobre o caminho do seu sinal de áudio. Observam o tipo de microfone, a acústica de uma sala, o tipo de pré-amplificador, o tipo de conversor, ordem de compressor e equalizador, o cabo, a resposta dos alto-falantes, etc.

Se você é um músico então você pode se preocupar com seus pedais de efeitos, as cordas de seu instrumento, as peças da sua bateria, os martelos no seu piano, a palheta em seus instrumentos de sopro, etc.

Cada parte do caminho do sinal é meticulosamente estudado e escolhido. A idéia é evitar qualquer ponto fraco que possa afetar negativamente todo o sistema. A última coisa que alguém quer é que um componente venha a comprometer o desempenho.

Agora uma coisa que pode ser facilmente esquecida é o caminho do sinal entre sua orelha e seu cérebro. Esta parte do caminho de sinal é chamado ‘’ sistema auditivo ‘’. Todos os sons que você percebe passam por este sistema.

ouvido
O caminho do sinal que um som leva entre sua orelha e seu cérebro é muito complexo. Há muitas coisas que podem acontecer ao longo do caminho que podem mudar como você percebe o som. Por esta razão, acredito que é importante entender algumas coisas sobre como o caminho do sinal do sistema auditivo pode afetar o que você percebe.

 

1. Deterioração permanente

Todas as pessoas experimentam perda auditiva em níveis relativos ao longo de sua vida. À medida que cada engenheiro de áudio envelhece , os aspectos do seu sistema auditivo permanentemente irão deteriorar-se também.

Perda auditiva é geralmente ligeira ou moderada , mas é comum perder a capacidade perceber as altas frequências ao envelhecer.  No entanto, qualquer perda auditiva vai mudar como um sinal passa através de seu sistema auditivo.

Lição: Lembre-se da perda auditiva e considere-a ao longo de sua carreira. O aparecimento da perda auditiva pode ser adiado evitando a exposição a sons altos durante longos períodos de tempo.

 

2. Compressão Dinâmica do ouvido médio

Além das alterações permanentes e de longo prazo que podem acontecer com o sistema auditivo, há alterações temporárias a curto prazo que podem influenciar no que ouvimos. Um exemplo disso é um mecanismo embutido no seu sistema auditivo para proteger contra perda de audição.

A maioria das pessoas precisam entender que o som entra através da “orelha” (pavilhão auricular) e então encontra o tímpano (membrana do tímpano). Esta parte do sistema auditivo é chamado o ouvido externo.

Depois do tímpano o som entra no ouvido médio. Aqui o som faz vibrar inúmeros e pequenos ossos chamados ossículos. Além de simplesmente passar o sinal através do ouvido médio, os ossículos também fazem parte de um subsistema que realiza a compressão dinâmica se as vibrações são muito grandes.

Anexado ao ossículos são dois músculos: o músculo tensor do tímpano  e o músculo estapédio. Estes músculos são uma parte de um sistema de “detecção”para executar a compressão.
O músculo estapédio irá amortecer os ossículos quando houver grandes vibrações no ouvido médio. Isto tem a função de proteger o sistema auditivo contra os sons muito altos.

Este mecanismo ocorre para sons que fazem mais barulho do que 85 dB SPL. O objetivo é proteger as partes subseqüentes do sistema auditivo, da exposição a sons altos. Portanto, se você ouvir sons altos seu sistema auditivo vai adicionar essencialmente um limitador extra para o caminho do sinal.

Lição: Ouvir sons em níveis mais baixos podem evitar esta etapa extra de compressão dinâmica.

 

3. Campo de percepção do ouvido interno

Depois o som passa através do ouvido médio e atinge o ouvido interno. Esta parte do sistema auditivo é composto principalmente da cóclea. Esta é uma estrutura pequena em formato espiral (imagine uma concha).

Uma função importante da cóclea é realizar uma análise da frequência de som.
Conceitualmente, isso significa que as baixas frequências estimulam os nervos que se conectam em um local da cóclea e altas frequências estimulam os nervos em um local diferente.
Sons tranquilos de uma determinada freqüência criam disparos nervosos em uma região muito estreita da cóclea. O cérebro interpreta a estimulação desta região estreita com uma frequência correspondente.

Sons altos de uma determinada freqüência criam disparos nervosos através em uma ampla região da cóclea. Com isso verificou-se que o cérebro interpreta a estimulação de toda a região com a frequência errada. Portanto, a percepção pode estar incorreta para sons altos.

Lição: A percepção de Pitch é muito mais precisa em volumes menores. Se você estiver executando uma tarefa que exige afinação / uma nota correspondente / etc., tente esta tarefa em volumes mais calmos.


Conclusão

Em conclusão, você deve evitar ouvir sons altos. Há motivos a longo e curto prazo para fazer isso. Se você sabe que você estará exposto a sons altos deve proteger a sua audição com protetores auriculares.
É ridículo que há um preconceito associado ao uso de protetores. Se você estiver indo sentar na praia durante todo o dia, você sabe que precisa colocar protetor solar para manter sua pele sem queimaduras. A mesma coisa deve ser com os protetores auriculares. Proteja a sua audição se você tem qualquer desejo de que o percurso do sinal através de seu sistema auditivo funcione corretamente.

Por último, não se esqueça que a capacidade de escuta pode ser melhorada. A interpretação do cérebro ao som pode ser melhorada através do treinamento de audição. Confira apps como Quiztones ou Danley , eles poderão te ajudar.

 

Sobre Douglas Barba

Iniciou sua carreira profissional em 2006 , formado pelo IAV e SENAC trabalha atualmente como técnico de monitor da dupla sertaneja Maick & Lyan tendo trabalhado em outras bandas e trabalhos como: Ao Cubo ,Funk Como Le Gusta , Léo & Júnior , Tuta Guedes , Rapadura , Rodriguinho, Musical O Corcunda de Notre Dame , Musical O Peixonauta , Band , ESPN Brasil , Rit TV.

Confira também

Introdução a filtros digitais – Parte 2 – Linkwitz-Riley

Hoje vamos falar sobreo filtro Linkwitz-Riley.