quarta-feira , 20 março 2019
Início / Dicas / Edição no Pro Tools com o Beat Detective!

Edição no Pro Tools com o Beat Detective!

Precisando editar aquela bateria bem fora do click e não sabe nem por onde começar? Vou explicar aqui como faço edições de bateria usando o Beat Detective do Pro Tools. Você pode usar o mesmo processo para editar outros instrumentos também, o Beat Detective pode ser usado para editar o tempo de vozes, percussão, baixo, violão, guitarras etc etc.

Vamos lá!

Depois de agrupar os tracks da bateria, certifique-se de que o primeiro beat está na cabeça do compasso, para que o Beat Detective entenda exatamente aonde começa. Corrija isso manualmente, arrastando o áudio até que o primeiro beat fique certinho na cabeça do compasso.

Agora o Beat Detective (menu Event > Beat Detective)

Janela do Beat Detective

Os dois primeiros itens não são importantes para nós nesse momento, vamos pular para o item “Region Separation”. Essa seção detecta os transientes do áudio e os separa em novas regions.

Para isso, é preciso selecionar a área a ser editada. Eu procuro fazer de 8 em 8 compassos, pois se selecionar muitos compassos de uma vez só, ele pode não fazer um bom trabalho.
No exemplo,  selecionei do compasso 36 ao 38. É possóvel selecionar manualmente ou digitando o compasso no painel superior:

Depois escolha como que você quer que o Beat Detective detecte os transientes: 1/4 – semínima, 1/8 – colcheia e assim vai. Geralmente deixo em 1/16.

Clique em “Capture Selection” para fazer a captura.

Agora, na parte “Detection” temos em “Analysis” 3 opções:

High Emphasis é adequado para sons agudos (hi-hat, caixa etc)

Low Ephasis é adequado para sons graves (bumbo, baixo etc)

Enhanced Resolution serve para ambos. Vamos selecioná-lo.

Agora clique em “Analyze” e vá aumentando a barrinha de sensibilidade até ele criar os triggers (riscos rosas) de que você precisa. Caso ele tenha colocado um trigger fora do lugar pegue a ferramenta grabber e arraste até o lugar certo, ou pode deletar algum que não você não precise apertando Option/Alt + click, ou ainda, adicionar um trigger simplesmente clicando no local desejado, sempre com a ferramenta grabber.

Clique para ampliar

Repare que nesse caso, o baterista deu uma acelerada mas o Beat Detective não entendeu isso e quando eu clicar em “Separate” ele vai deixar esse trechinho de fora.

Clique para ampliar

Não é o que eu quero. Para resolver esse problema é simples: depois da seleção capturada, selecione manualmente até o transiente correto. Não capture outra vez, mas clique em analisar de novo. Ficará assim:

Clique para ampliar

Escolha a resolução: bars, beats ou sub-beats. Geralmente deixo em sub-beats.

A função do Trigger Pad é fazer o corte “x” milissegundos antes do trigger. Por padrão vem 3ms, mas acho pouco e de vez em quando sempre acaba cortando o ataque de alguma peça, fazendo com que eu tenha que corrigir na mão depois. Então eu deixo em 10ms.

Clique no botão “Separate”.

Agora vamos para “Region Conform”. Nessa seção é que as regions criadas são quantizadas. A opção “strenght” determina o quanto vai quantizar. Valores baixos preservarão a levada original. Deixando o “strength” desmarcado, ele colocorá tudo cravado no grid.

A opção “Exclude Within” (que geralmente deixo desativada) permite que ignore da ação as regions que estiverem certas, deslocando apena as que estiverem notavelmente fora.

Se desejar, adicione “Swing”. Então clique em “Conform”

Clique para ampliar

Depois passamos para a última sessão, Edit Smoothing, cuja a finalidade é preencher as lacunas que ficaram do “conform”. Há duas opções: simplesmente preencher, ou preencher e fazer crossfade. Escolho sempre com crossfade pois assim evita que ocorram estalos ou pops causados pelos cortes. Então marque “Fill and Crossfade” depois coloque um valor para o comprimento do crossfade (geralmente 5ms) e clique em “Smooth”.

Clique para ampliar

Agora ouça, confira se está tudo certo. Se estiver, agora é só passar pros próximos 8 compassos até acabar a música.

E não esqueça de consolidar tudo no final, hein!?

Edição não tem jeito mesmo, é chá de cadeira! Mas, na minha opnião, usando Beat Detective torna a edição um processo bem menos sofrido. Lembrando também que este é o meu método de trabalho, na internet há muitos vídeos mostrando outras maneiras de se editar bateria com o Beat Detective, procure e veja qual se adapta melhor à você.

Se você conhece um método diferente, compartilhe com a gente! E se gostou, por favor comente e divulgue!

Espero que tenham gostado e até a próxima! 🙂

Agradecimentos especiais ao Wagnão que me ensinou muito de Pro Tools!

Sobre Karen Ávila

é colaboradora do Áudio Reporter, formada em Produção Musical pela Anhembi Morumbi e assistente do produtor musical Eduardo Pepato.

Confira também

Gravação do DVD da dupla Maiara & Maraisa

Eu e o meu amigo Renato Riva estávamos lá e vamos contar pra vocês um pouquinho de como foi o evento ;)

%d blogueiros gostam disto: