fbpx
terça-feira , 11 maio 2021

Porque sua mixagem está horrível?

 

É evidente que estamos sempre a procura de um bom som, acredito que seja por isso que você está lendo neste momento essa matéria. Mas nem sempre o resultado sai como  esperado ou como você imaginava. Seu destino vai ser totalmente decidido pelo fã ou pelo ouvinte (fã em potencial). Você não vem junto com sua mix, você não está lá para explicar toda a sua angústia ou os problemas que existiram na gravação  ou mesmo informar a todos que realmente você fez daquele jeito porque seu gosto musical é baseado em sons antigos ou  vintage , e acredite: NINGUÉM SE IMPORTA.

operando o som

Quando você está famoso, pode dar alguma desculpa exótica pra justificar seu som, mas quando você é um zé niguém e as pessoas que te contrataram te adoram, deve-se evitar as 5 questões a seguir:

 

Eu sei usar o Reverb!

O Reverb é como um brinquedo na mão de uma criança que acha que está sempre numa catedral com um decay gigantesco. Logo, perde-se toda a clareza ou “punch” que tinha o instrumento ou melhor, enlama toda sua mix tornando-a confusa. Lembre-se que uma mixagem é um trabalho onde as trilhas soam bem em conjunto , ou seja, não tente uma desculpa como: ” Eu coloquei esse reverb grande na voz pra destacar da base”. Você só vai bagunçar sua imagem estéreo ou pior, fazer a banda soar muita mais “seca” do que o normal, dando a impressão de que está em um ambiente e a voz em outro.

Solução: Conheça os tipos de reverb e sua mais comum utilização, não tenha medo de perder tempo escolhendo o efeito ideal. Tenha bom gosto, busque referências. Se tiver em dúvida da quantidade de efeito empregado na mix, tente baixar as  voltas ( fx return ) dos efeitos e gradativamente colocando-as até que uma imagem esteja levemente perceptível.

Você pode gostar de:

 

Tá tudo embolado…

Os Beatles gravaram o Sgt. Peppers em dois gravadores de 4 canais. Agora os softwares te oferecem um número incontável de trilhas disponíveis. Mas isso não significa que vc tem que usar todas elas…

O percussionista usou todo o set de efeitos disponíveis, e você ainda dobrou alguns canais pra parecerem mais cheios. Ou o tecladista levou a pré pra gravar em casa e te devolveu com 1.000 canais de teclado, fora isso vc dobrou todas as guitarras, o refrão dos vocais  e além de gravar dobrado aquele naipe de 4 instrumentos de sopro, ainda dobrou.

Será que não é muita coisa pra o ouvinte se concentrar?  Uma mix  cheia de toneladas de texturas e camadas pode ser frustrante ouvir, porque o coração da música é muitas vezes perdido no espectro sonoro lotado.

Solução:  Escolha apenas alguns elementos para destacar. Um elemento provavelmente será o vocal principal, que é a coisa que as pessoas querem ouvir de qualquer maneira. Ou você está certo de que todo mundo iria enlouquecer sobre o seu dub delay na guitarra no segundo refrão depois do minuto 3:06?

Discipline-se para destacar um elemento principal por secção da canção, a fim de manter o interesse do ouvinte ao longo da música inteira. Se você misturar uma tonelada de coisas com o mesmo volume porque você ama tudo, você não está realmente permitindo que o ouvinte curta elementos chave da música no tempo certo. Crie expectativas!

 

A voz está alta?

Algumas pessoas gostam da voz alta, outros preferem que a voz permaneça dentro da base. Mas ninguém gosta de uma voz muito alta ou enterrada dentro da música.

Bem, se alguém tem de se esforçar para ouvir o vocal confortavelmente, você “perdeu a mão” no ajuste do volume . Se o vocal é mixado tão baixo que a caixa, guitarras, pratos, ou qualquer outra coisa interfere com a voz, suas palavras, ou o seu tom, você também está com problemas. Coisas ruins também acontecem se o vocal é mixado tão alto que parece que a cantora está gritando diretamente no seu ouvido.

Solução: Há um bom número de “testes” para os níveis de vocal. Um dos meus preferidos é ir abaixando a música até que esteja quase inaudível. Se eu ainda posso ouvir e entender cada palavra do vocal, mas também posso ouvir os tambores e instrumento harmônico principal (guitarra, teclado, etc), então está tudo bem.

 

… e mesmo assim não tá legal

O baixo destacado e com bastante médio grave, bumbo com bastante sub, provavelmente não vai emocionar ninguém. Por outro lado, tentando ser modernos com uma mixagem  que dispara médios e agudos como lâminas ninja shuriken só podem degolar o seu público. Depois de tudo equilibrado analizando sua mix num espectro amplo e geral ainda soa estranho…  ALGO ERRADO!

Solução: Para garantir que o seu espectro sonoro não soe estranho,  tenha uma referência de uma mixagem profissional como espelho. Esta é a melhor maneira que eu encontrei para avaliar se eu estou colocando baixo demais (em comparação com a mixagem  de referência), ou abusando dos médios ou agudos. Alternar entre sua referência “pro” e a sua mixagem irá lhe mostrar onde está o seu “erro”.

 

Comprimindo tudo

Compressão pode sim fazer sua mix soar alta, como também explodir suas caixas de som. Estamos cansados de saber como excesso de compressão pode acabar com o som do seu disco e aqui vai uma surpresa, os PROS também erram (ou tem mal gosto). Vou dar dois exemplos de discos de artistas famosos com compressão inacreditavelmente HORRIVEL

Metallica – Frantic

Audioslave – Man or Animal

 Solução: Deixe a compressão final para um bom engenheiro de masterização.

 

Este post foi inspirado traduzido e totalmente modificado de um artigo do site EqMag.com

Sobre Diego Moreno

Fundador do site, Engenheiro de áudio, apaixonado por música, divide o tempo entre a estrada o estúdio e a constante atualização do site.

Confira também

5 dicas para gravar guitarra

5 Dicas para gravar guitarra

5 dicas para gravar guitarra usando microfones no amplificador.

9 comentários

  1. sim,adorei o post,mas a dica de deixa para os colrgas é anotem tudo
    no caderno de anotaçoes,pode lheser utíl um dia experimentem
    comigo da certo……..abrassssssss.

  2. Bom.. concordo com algumas coisas aqui. Mas discordo de várias. Algumas que considero mais mitos. Primeiro sobre a compressão. Se você não souber usar o compressor, logicamente… esqueça mixagem e faça outra coisa. Eu comprimo quase 95% das vezes as minhas mixes no Master. E isso não pra aumentar o volume. Compressão, antes de tudo, é para trabalhar um pouco melhor as dinâmicas da música. Quando colocado no master, ele ajuda aos instrumentos se encaixarem mais naturalmente, principalmente a relação da cx da bateria e o baixo. A diferença de um som magro e um som mais encorpado pode estar simplesmente nesse bus compressor. E não, eu não considero isso um trabalho da masterização, afinal de contas isso pode mudar a textura inteira da música e não vejo isso como função de uma master.
    Outra coisa é o esquema de baixar o som pra ver se a voz está no volume certo. Ao baixar o som, algumas cosas respondem diferente, por limitações físicas do falante, da sala e até do seu próprio tímpano. Muitas vezes o grave da música, que precisa de mais energia para acontecer, acaba sendo mascarado. Você abaixa o som das cxs.. a voz aparece.. mas quando o som aumenta, ela volta a ficar enterrada, ou seja, ela ainda pode não estar no volume ideal. Para isso, acredito, utilize outra monitoraçào.. escute em sons caseiros, no carro.. etc…
    Outra coisa é que, você como engenheiro de mixagem, deve se permitir a cortar certas coisas quando necessárias e mostrá-las ao produtor. Muitas vezes existem conflitos entre instrumentos que você nào precisa e nem deve passar 10 horas pra tentar solucionar, afinal de contas, se o arranjador não soube arranjar a música direito, não é um problema seu. Tem que ter essa conversa com o produtor sim. Vejo aqui que muitos, inclusive eu tive isso por muito tempo, não se colocam em relação a parte artística, sendo que você que está mixando, está não só fazendo parte da música artisticamente, como está dando a cara à canção. Criando as texturas, o som e o estilo da gravação, então não se acanhe ao notar que existem coisas que não estejam soando bem entre si, a gente não é malabarista.
    Quanto ao reverb, concordo. Quanto mais opções de reverb você tiver para sua mix, melhor. Uma mixagem não pode ser feita de padrões, como aconteceu por muitos anos aqui em Salvador. Muitos reverbs que funcionaram ótimos em uma música, podem não ter nada a ver com a seguinte. Aquele que vc achava bizarro, pode vir a calhar em uma outra produção. E nunca se esqueça dos delays. As vezes um delay pode ajudar um reverb para não precisar aumentar o decay dele e embolar tudo, deixando aquela nuvem de mosquito soando durante a música inteira (deus é mais forte..kkk).
    Mas ainda assim, considero compressão o assunto mais complicado da mix. É uma das coisas em que todos se mordem… existem diversos jeitos de comprimir e isso depende do estilo, tanto do seu quanto da banda que está mixando. Tem que estudar, aprender as respostas da compressão de cada compressor, seja pluggin ou hardware… aprender o som dele… para saber em que situação ele pode funcionar melhor ou não. Muitas vezes nem é necessário equalizar nada, vc pode com o compressor deixar um grave mais macio ou o som mais contundente sem nem encostar no equalizador. Não querendo tirar a importância do eq, logicamente,
    porra, falei pra ca… kkkkkkkk

  3. A do Metallica deve ser "cópia de monitor".

  4. Sinceramente… não deu para ouvir até o final!

    Tudo muito confuso… Onde está a caixa e o bumbo?! Só ouço guitarra e pratos… A voz está "pequena"…

    Enfim…

  5. mixagem é uma arte e como toda arte deve ser interpretada como tal, a musica do metallica foi feita assim para passar o momento da banda, um momento conturbado, de alguns membros não estavam se entendendo, é também um som simples e cru, podem ouvir que não tem solo de guitarra nas musicas e a caixa foi deixada crua soando livremente, nada de compressão, pra passar algo como liberdade, o play se chama ST Anger, ou seja o disco teria que ser algo direto, cru objetivo sem muitas delongas.
    A musica do audioslave aqui no meu fone ouvi tudo sem confusão nenhuma, mas está muito centralizado parecendo que está em mono, vai ver que essa musica quis transmitir algo fechado, todos instrumentos meio que exprimidos em um só lugar.
    Todas essas mixagens com toda certeza foi escolhida pela banda, a banda é que tem a ultima palavra, claro que o mixer vai conversar, mas se a banda quis passar algo alem do que a musica já passa, aí é problema da banda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: