domingo , 20 janeiro 2019
Início / Resenha / Porque técnicas de distorção DEVEM fazer parte do seu vocabulário.

Porque técnicas de distorção DEVEM fazer parte do seu vocabulário.

Este post foi escrito por David Melor do site: www.recordproducer.com

Antes de ler este post, escute o áudio deste vídeo:

A canção é Firework por Katy Perry e claramente é massivamente distorcida. Eu tinha ouvido a música muitas vezes na TV, rádio e de som do carro (cortesia de outros ocupantes do carro) e eu sempre gostei, apesar de as cordas – na minha opinião – soem um pouco dura.

Mas eu não percebi a distorção até que eu escutei a música do CD, no meu fone favorito. Então eu ouvi nos meus monitores de estúdio.

 

Distorção. Distorção intensa.

 

No começo, eu culpava o processo de masterização. Geralmente eu acho os efeitos de masterização para “loudness” desagradáveis. Mas este foi terrível. Mas eu ouvia mais de perto.

Meu sentimento é que é a amostra do bumbo que é distorcida e toda a mixagem é comprimida para dar um efeito de “punch” em torno do “kick”.

Eu não gosto dele. Eu não gosto nada disso. Estou certo que a música poderia soar muito melhor dado o benefício da gravação e masterização limpa.

 

Mas você não pode discutir com …

Disco de platina quádruplo!

A quádrupla platina significa que “Fireworks”  já vendeu mais de 4 milhões de cópias e isso é só nos Estados Unidos. Os números de vendas em outros mercados principais da música são igualmente impressionantes.

Pode ser possível especular que, sem a distorção,  Fireworks  poderia ter alcançado o quíntuplo de platina, mas com a mão no meu coração, eu  não acho que é assim. Há algo sobre a totalidade do artista, a música, a gravação, a masterização  (e o marketing), que juntos tem dado aos criadores de  Firework  seu sucesso merecido.

Isto traz o meu ao meu ponto:

O meu ponto é …

Se essa distorção extrema, que muitos ouvintes acham desagradáveis  é um componente de um registro tão bem sucedido, então ele tem que se tornar parte de sua técnica de gravação.

“Adendo do Áudio Repórter:   O autor deste post não ouviu essa aqui: “

Suponha por exemplo, você faz  uma gravação, e o cliente diz que não é empolgante o suficiente. (Não espere que o cliente a usar a linguagem técnica, ou ser específico sobre o que ele quer) Se você não pode “esquentar” a mix em proporção termonuclear, então o cliente vai encontrar alguém que possa.

E se não é o bumbo, então ele poderia ser algum outro instrumento, talvez até mesmo o vocal. A masterização   por muito tempo foi o “esquente” do processo de gravação, então pode acontecer lá.

Então, eu diria que quem não gosta deste tipo de som tem três opções …

  • Perder clientes que querem o som de distorção pesada
  • Fazê-lo com relutância, quando pressionado

Ou …

  • Abraçar a distorção extrema, torná-la sua, torna-la artística e torná-la boa !

Assim, embora a capacidade de fazer uma gravação sem distorções, limpas de quaisquer tipos e combinações de instrumentos e vozes é absolutamente essencial, o mesmo  é a capacidade de manipular o áudio de qualquer forma que agrada ao mercado. Um conhecimento de técnicas de distorção e sua aplicação artística deve ser parte do pacote de de habilidade de qualquer engenheiro .

Sobre Diego Moreno

Fundador do site, Engenheiro de áudio, apaixonado por música, divide o tempo entre a estrada o estúdio e a constante atualização do site.

Confira também

Profundidade na mix

Criando espaço e profundidade na sua mixagem

Um dos desafios que enfrentamos numa mixagem é saber como criar um som realista tri dimensional

%d blogueiros gostam disto: