fbpx
terça-feira , 11 maio 2021

Como fazer o input list – Áudio na Estrada

Iremos iniciar a série AUDIO NA ESTRADA, onde abordaremos todos os aspéctos da vida na estrada, seja na visão de técnico, banda, contratante ou locadora.

 

Iniciando com um dos principais pecados de uma empresa locadora de som enquanto prestando serviço em um evento.

 

Input ListInput List

Muitas vezes os problemas técnicos começam muito antes do show ter inicio, e um dos maiores causadores chama-se input list. Como o próprio nome sugere, a lista dos canais de entrada, (e saída) é o q indica aos contratantes o que será necessário locar numa empresa de som para que possa haver a realização de um show de determinada banda ou artista.

Onde realmente estão os erros?

Contratante:

– Escolhe a empresa de som pelo menor valor, nao se atentando se ela cumpre com as exigências NECESSÁRIAS para a realização do show de determinada banda.

 

Empresa locadora de som:

– Acham que todas as bandas sao exatamente iguais e as exigências sao bobagens e “charminhos“, por isso fecham o contrato sem ao menos saber quais as bandas (e seus respectivos input list)  irãp se apresentar se apegando  aquela famosa frase: “banda tal fez ontem aqui e nao reclamou de nada“, o que nos remete ao próximo quesito…

 

Bandas:

– Realizam o show a qualquer custo, seja sem a console pedida,  quantidade necessária de vias auxiliares, quantidade de cabos, microfones entre outros.

Talvez este seja o pior de todos os erros pois faz com que empresas responsáveis e corretas fiquem sem trabalhar, por ter um preço correspondente ao seu profissionalismo, enquanto empresas sem comprometimento com trabalho sério continuam sendo contratadas, pois se ja fez o show uma vez …….  pode fazer novamente!

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

É necessário que os riders técnicos das bandas estejam mais bem elaborados e objetivos?

Eu acredito que sim! Mas não ler, não entender e não encarar o input list com a devida importância é uma das maiores demonstrações de amadorismo de uma empresa locadora de som.
deixando claro que existem empresas e profissionais sérios em todos os âmbitos !

 

No próximo post vamos abordar idéias de como elaborar e/ou melhorar o seu Rider Técnico.

Sobre Tito Menezes

É colaborador do Áudio Repórter, Engenheiro de som e produtor técnico. Atualmente comanda o seu próprio estúdio móvel.

Confira também

Passagem de Som em Trio Elétrico - Carnaval Salvador 2017 | Tito Na Estrada #27 1

Passagem de Som em Trio Elétrico – Carnaval Salvador 2017 | Tito Na Estrada #27

Segunda parte de uma serie de videos sobre os bastidores do carnaval de salvador 2017. Passagem de som no carnaval de Salvador!

16 comentários

  1. perfeito tito parabens.e nao se esqueçam doas epresas que forneçem os grupos geradores tambem poderia falar dos serviços precarios de muitoas tambem

  2. Como membro do outro time, o das empresas locadoras, concordo em 100% com o post, mas faço uma observação muito importante que é o trabalho dos contratantes (que na sua maioria são pechichadores e ou comissionados) e dos produtores (que são na verdade apagadores de incêndio, sem conhecimento técnico necessário para entender a importância de cada item solicitado). Esses 2 conseguem atrapalhar o trabalho de todas as equipes som, luz, led, gerador e etc.

  3. Concordo plenamente! Elaboramos um Rider completo, pensando em "sanar" todos os gargalos para realização dos shows e, quando chegamos nas cidades, nos deparamos com NADA, ou quase NADA do que pedimos: palco irregular, mesas não descritas, falta de segurança, praticável?

    É fato que o papel dos contratantes e produtores é esse, economizar, pechinchar, buscar mais rentabilidade, mas infrigir documentos como Rider, é um erro! Precisamos nos unir, para que seja cumprido o acordo! Nos contratos devem ser anexados o Rider, bem como Room List e Camarim List! E devem ser cumpridos sob pena de multas e não realização dos shows!

    Muito obrigado pelo compartilhamento do conhecimento Tito! Sou um grande admirador seu, de Diego e de todos os grandes técnicos baianos.

  4. Excelente matéria Tito!

  5. maravilha !! E o bacana eh cada um expor aqui o seu ponto de vista,suas expectativas,decepções ,experiências . Obrigado

    • Tito, blz cara, é o Jair do IAV 2003, aqui do sul. Tá grandão hein!!!!!!!! Tu merece cara, foi um dos colegas mais fera daquela turma. Velho, estarei por S.P. 26 e 27 de janeiro. Faça contato, meu e-mail continua o mesmo. Abração.

  6. Muito boa mesmo a matéria! Concordo com todos os comentários feitos, o Alemão tá do outro lado da moeda e sabe muito bem como são os contratantes, mas gostaria de acrescentar que na verdade a culpa de não ter o rider cumprido é da própria banda!!! Afinal de contas ela ACEITOU tocar em tais condições. Infelizmente o papel de produtor de uma banda virou status e muitos não sabem oque a banda realmente precisa e nem conhece um simples cabo xlr…. Acho que enquanto as bandas não se impuserem e exigirem condições vai continuar da mesma forma!

    Abracos

  7. Muito boa matéria Tito.. Gostaria depois que você comentasse sobre os contratantes das casas aqui de Salvador que pagam pouco e exigem muito, sem falar que a banda contratada além de tocar tem que trabalhar como promouter pra o próprio evento!! Enfim acho isso um absurdo.

  8. Ta aqui um problema que parece não ter fim, o INPUT LIST, que agregado ao RIDER TÉCNICO, um documento de suma importância, onde, é informado todas as condições mínimas para uma apresentação digna de respeito ao público, técnicos e artistas, muitas vezes não é respeitado.

    São erros de ambos os lados. E nós que estamos na estrada sabemos muito bem o que é isso.

    Mas mantemos a esperança de melhorias.

  9. Em 90% dos shows que fiz, como técnico de empresa, mudou tudo… quando a banda chegava e já estava tudo montado sabiamos que o input que foi não estava atualizado, que havia mudado a posição do palco, que o escritório havia enviado o rider errado…

  10. Este assunto é interminável, Em muitos casos todos são vitimas daqueles que nos contrataram e antes de um começar a cobrar do outro (Banda, Som, Luz, Palco, Gerador…) é preciso saber o que realmente foi contratado, em quais condições e quais informações nos foram passadas, Quanto aos RIDER tanto de som como de luz acho um ferramenta muito importante, mas têm que ser verdadeiro, Exemplo não dá para colocar 12 monitores, Side dobrado, Amps, Praticável (Bat, Perc, Key), 16 moving, 64 refletores, etc. Num palco pequeno, mas vamos continuar lutando, pois tem que melhorar para todos.

  11. antonio (lola mix 0

    A mais pura verdade tudo q vc falou mais axo tambem q os tecnicos deviam se volirizarem mais pois se vc aceita tudo q os produtires te empuram vc nunca vai poder aumejar augo mais ja vie amigos meus de profissão q fala eu quero é ganhar meu caxer e esquece do profissionalismo pessoas asim q acabam prejudicando quem relamente quer coisas serias valeu tito parceiro abraços

  12. alguem ai pode me passar algum preset de voz para mic neumann tlm 103 e presonus eureka? (studio de audio) ou como posso fazer uma ligaçao para que aproveite mais esses aparelhos? uso um mesa yamaha mg 124 cx.

  13. Alguém aí pode me passar nomes de empresas de som responsáveis….. sou produtora de uma banda e preciso de pessoas e empresas serias para trabalhar… estou entrando agora nesse ramo e não conheço muito bem essas empresas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: