terça-feira , 19 novembro 2019
Início / Dicas / Entendendo o VCA

Entendendo o VCA

Ao passar de muitos artigos aqui no blog, percebí que escrevo muito pouca coisa sobre som ao vivo.  Não importa o nível técnico que você se encontra,  pois é sempre  bom revisar conceitos Então pra abrir uma nova série de posts, vamos falar sobre VCA!

Quando mixagem de som ao vivo ou em um ambiente analógico em seu estúdio, normalmente terá um monte de entradas para gerir, especialmente se você estiver em uma situação com vários vocalistas, um naipe de metais e um kit de bateria completo. Tradicionalmente, você pode usar um subgrupo para controlar múltiplos canais com um fader. No entanto, muitos consoles – consoles especialmente digitais você verá VCA’ s no lugar de subgrupos. Vejamos como subgrupos e VCA’s trabalham, como são diferentes um do outro e como usar o VCA numa aplicação de som ao vivo.

Sessão do Subgrupo e VCA
Sessão do Subgrupo e VCA

 

VCA x Subgrupo

Subgrupos e VCAs trabalham fundamentalmente o mesmo princípio: você atribui canais individuais para um subgrupo ou grupo VCA e então você pode usar um único fader para controlar canais agrupados de uma vez. Subgrupos também oferecem a capacidade de somar vários sinais em um grupo, através de uma única etapa de amplificação adicional. Isso funciona muito bem, exceto por duas coisas: primeiro, ele adiciona uma etapa extra de ganho para os sinais encaminhados juntos, e dois, pode causar problemas quando todos os sinais elétricos são encaminhados juntos em um circuito.

Creio que a única vantagem de usar subgrupos, é poder usar um insert no grupo inteiro, por exemplo: Todos a sessão de metais em um grupo com um EQ + compressor, funciona muito bem.

VCA x DCA

VCA = Voltage Controlled Amplifier
DCA = Digitally Controlled Amplifier

Duas maneiras diferentes de dizer o mesmo, apenas o primeiro no mundo analógico e o segundo no digital.

 

 

Vantagens do VCA

Um console (mesa de mixagem) equipada com VCA’s tem canais de entrada especiais, que respondem a uma voltagem “remota” de controle (na realidade, isto é feito acrescentando-se um circuito integrado – o amplificador controlado por voltagem – a cada canal). Cada canal do mixer é equipado com um dispositivo VCA que substitui o circuito convencional de fader. Seu nível é controlado por uma voltagem DC variável, que é injetada na porta de controle do VCA por exemplo, o sinal pode ser ajustado para estar “totalmente desligado ou inexistente” quando uma voltagem de -5V for aplicada e para estar “totalmente ligado ou presente” quando receber uma voltagem de 0 V. O sinal passa pelo VCA em vez de passar pelo fader. Ou seja, ao contrário das mesas não equipadas com VCA, nenhum sinal de áudio passa pelofader. Uma vantagem disto é que osfaders equipados com VCA não apresentam os problemas que podem acometer os faders convencionais, como ruídos severos e perda de sinal quando a superfície resistiva começa a deteriorar-se devido a desgaste pelo uso.

Certamente com  VCA ‘s, você tem muito mais versatilidade – pode misturar faixas mono ou estéreo juntos, e em quadros digitais, aplicar automação útil para os seus grupos VCA.

 

Comente e divulgue esse post, conte sua experiência, pergunte!

 

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Sobre Diego Moreno

Fundador do site, Engenheiro de áudio, apaixonado por música, divide o tempo entre a estrada o estúdio e a constante atualização do site.

Confira também

Entrevista: Rafael Fadul

Nome: Rafael Fadul Idade: 23 anos Origem: São Paulo, SP Atualmente em: Los Angeles, California …

%d blogueiros gostam disto: