segunda-feira , 23 Abril 2018
Início / Dicas / Saiba tudo sobre reverb #2

Saiba tudo sobre reverb #2

Continuando a nossa aventura no mundo dos reverbs, hoje falaremos dos tipos: spring, reverse e gate reverb.

 

Spring

 

O Reverb spring simula um método de geração de reverberação que é normalmente construído em amplificadores de guitarra, injetando o som em molas metálicas e deixando-as reverberar. O spring tende a soar “lo-fi” e tem um “ringing” característico, podendo até causar uma leve realimentação parecendo-se com uma microfonia.

O spring reverb é normalmente usados ​​em instrumentos individuais. Usado nas guitarras, eles podem adicionar um certo brilho e vivacidade. Para os instrumentos, como pianos e órgãos, pode adicionar profundidade e dimensão do vintage ao som. Eles não são normalmente utilizados com bateria ou vocal, porque o som não é tão bom como outros reverbs. Por outro lado, você pode querer experimentá-lo por um efeito estranho ou psicodélico!

 

 

Neste exemplo de áudio, os arquivos de som são processadas usando um reverb de mola real físico (não uma emulação). Este é uma espiral que é comumente usado com amplificadores de guitarra. Este reverb de mola em especial é mono.

Djembe : Observe como o caráter percussivo do djembe excita as molas. Você pode ouvir uma espécie de  “boing” no som. O reverb de mola adiciona um tipo de ambiente que parece verdadeiro, mas encantadoramente impreciso.

Piano : O reverb de mola adiciona uma dimensão verdadeiramente vintage para o piano. Novamente, não soa como qualquer espaço acústico que poderia mas a vibração física das molas traz uma espécie de realidade para o som que é diferente de qualquer reverberação digital.

Guitarra : Este é o lar natural de um reverb de mola. O reverb simplesmente se torna parte integrante do som, adicionando um caractere especial, ao som da guitarra.

Vocal : O reverb de mola adiciona um carácter distintivo ao som dos vocais. Este não é um som que é comumente usado, mas pode ser interessante para um efeito “lo-fi”.

 

Reverse

 

Reverse (por vezes referido como “inverso”), simplesmente  é o som do reverb “correndo” para trás. Então, ao invés de começar com o som original e gradativamente sumindo, ele começa discretamente e aos poucos vai ficando mais alto até que o som original é ouvido.

Antes dos reverbs digitais, este efeito foi criado gravando o reverb (geralmente uma placa real ou câmara de eco), enquanto a fita corria em sentido inverso. Quando a fita é jogada para frente novamente, a reverberação é ouvida em sentido inverso. O resultado é uma reverberação que é ouvida antes do o som original (em vez de diretamente depois). Estes não são baseadas em qualquer som, na realidade e às vezes são úteis para efeitos especiais ou ambientes não naturais.

Reverse reverbs são mais comumente usados no cinema ​​para vozes de “demônio” ou “possuídos”, mas às vezes são úteis para adicionar um ambiente sutil em um trecho.

 


Djembe : O reverb inverso adiciona um ambiente fantasmagórico e assustador para o djembe. Note que a reverberação é o tempo suficiente para preencher as lacunas entre os hits djembe, portanto não há espaço morto. Se a reverberação for menor, o espaço morto  ocorreria logo após as batidas (em vez de diretamente antes, como acontece com um reverb normal).

Piano : O ataque do piano  é amenizado pelo reverb inverso e ele começa a voltar logo após do decay natural das notas do piano. Em um mix, transformaria a parte de piano em mais de uma “lavagem” que contribui mais para o tom,  com  menos ritmo.

Guitarra : Aqui você pode ouvir o reverb inverso como uma espécie de ambiente de  torcida. Isso pode ser útil para uma seção de avaria em uma música  ou  como um efeito interessante.

Vocal : Aqui, o reverb inverso acrescenta um som familiar. O vocal masculino  falado é mais articulado, que produz  efeito de “voz do demônio”. O vocal feminino mostra outro uso comum desse tipo de reverb, trazer os vocais no início de um verso.

Gated

 

Gated Reverb era popular nos anos 80, especialmente em caixas. Estes eram tradicionalmente instituído pela inserção de um gate  após a ressonância, mas acionando o gate com o som pré-reverb. Ao ajustar o tempo de porta, a explosão inicial da reverberação chega, mas o decay é cortado. Isto foi usado para adicionar força e corpo para a caixa  sem ter a ressonância lamacenta  à mix.

Em um instrumento de espaço curto, sem sobreposição de peças (como uma batida de caixa regular), não é a situação perfeita para o gate reverb. No entanto quando há mais espaçamento para que perceba-se o som do gate reverb, esta sim é a condição ideal do uso do gate reverb na caixa. O gate reverb também pode ser útil se você quiser um som grande ou molhado que não se arraste por muito tempo.

Nos dias de hoje o gate reverb ainda soa bem na caixa mas você pode querer mantê-lo menos sutil quando for mixar uma balada!

Djembe : O djembe revela a natureza do gated reverb. Você pode ouvir o começo de uma ressonância que implica um espaço muito grande, mas o decay para de repente e não deteriora naturalmente.

Piano : Aqui você pode ouvir a propagação produzidos pelo reverb gated. Isto é especialmente pronunciado sobre o ataque do som. Observe, porém, que as mudanças de acordes são muito limpas. O acorde anterior não perduram como um  hall  pode regular (se fosse tão brilhante e tão grande como este reverb gated).

Guitarra : Observe como o reverb gated adiciona um grande e espaçoso, muito som para a guitarra sem encher a mistura com um decay  que se decompõe naturalmente. Neste exemplo, o decay  é cortadao antes que as mudanças de acordes, de modo que cada acorde tem um fresco, limpo ataque.

Vocal : O reverb gated sobre a voz masculina soa como um efeito especial, porque a voz é falada, não cantada. O vocal femininose befeficia da ambiência sem decay, que parece acompanhar a melodia quase como um delay.

 

Equanto aguarda a parte #3, comente e divulgue esse post!

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Receba todos os posts no seu e-mail!

 

 

Sobre Diego Moreno

Fundador do site, Engenheiro de áudio, apaixonado por música, divide o tempo entre a estrada o estúdio e a constante atualização do site.

Confira também

Masterização – O que há de errado com minha música?

masterização pode ser a salvadora da pátria. Se você já se indagou de alguma das maneiras abaixo, vai entender o que eu estou falando.

%d blogueiros gostam disto: