terça-feira , 18 dezembro 2018
Início / Dicas / Saiba tudo sobre Reverb #3

Saiba tudo sobre Reverb #3

 

Continuando na última parte  da série sobre reverbs,  vamos falar de mais 2 tipos de reverb:

 

Algorítmico

Reverbs algorítmico é um tipo de reverberação calculado em tempo real. Os mais famosos reverbs digitais  de  empresas como a Lexicon, TC Electronic e Eventide, são  algorítmico. Estes geralmente possuem muitos parâmetros, tornando-os muito flexível e versátil.

Esse tipo de reverb oferece muitas vezes sons mais úteis  musicalmente  e podem ser adaptados para a mix específica que você está trabalhando.

Os próximos dois exemplos de áudio demonstrará alguns dos efeitos estranhos possíveis com reverbs de ordem algorítmica.


Convolução

Reverbs de convolução são um tipo de reverb que usa amostras (muitas vezes chamadas de “impulsos”)de espaços acústicos reais. O processo de convolução em si é particularmente pesado de matemática,  e por essa razão que eles só se tornaram viáveis nos últimos anos. Estes reverbs pode produzir uma “fotografia sonora”  de um espaço acústico particular, mas muitas vezes têm uma capacidade limitada para modificar o som de reverberação para se adequar a música. Por outro lado, reverbs de convolução podem usar amostras que foram geradas sinteticamente, produzindo  sons que não soam nada como um espaço acústico!

Convolução é útil para o trabalho como efeitos de som de cinema, onde é importante criar uma ilusão convincente de um espaço acústico. É também  útil para a criação natural de  espaços realistas em instrumentos acústicos.

Os próximos dois exemplos de áudio demonstrar alguns dos efeitos estranho possível com reverbs de convolução:

 

 

Neste exemplo de áudio, um reverb de convolução é carregado com uma amostra buzzy tonal. Você pode ouvir como esse tom é reforçado no áudio a ser processado.


Neste exemplo de áudio, um reverb de convolução é carregado com o som de um prato crash. Você pode ouvir como ele soa como agora todos os instrumentos estão sendo tocados “através” do prato, ou “se transformaram”, com o prato.

 

Conclusão

Reverb é uma ferramenta sutil e complexa, talvez até mais do que a compressão! As vezes é muito difícil ouvir as diferenças entre diferentes tipos de reverb. Também é muito difícil saber de antemão que tipo de reverberação usar em um mix, porque o efeito não é realmente sentido até que seja criado através da mixagem toda. Mesmo assim, geralmente é uma coisa que fica em segundo plano e não chama a atenção para si.Ouvir reverb é uma prática que requer concentração, conhecer os tipos de reverb  e ouvindo o espaço entre os sons vai te ajudar a reconhecer e usar com bom gosto e sabedoria todos os tipode reverb . Não se desespere embora – com um bom entendimento de reverb e um pouco de prática, você estará em seu caminho para se tornar um mestre do  reverb!

 

Esta série foi traduzida, corrigida e complementada de uma matéria do site www.prorec.com
Comente e divulgue esse post, conte sua experiência, pergunte!

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

E fique por dentro das novidades do mundo do áudio.

Sobre Diego Moreno

Fundador do site, Engenheiro de áudio, apaixonado por música, divide o tempo entre a estrada o estúdio e a constante atualização do site.

Confira também

Masterização – O que há de errado com minha música?

masterização pode ser a salvadora da pátria. Se você já se indagou de alguma das maneiras abaixo, vai entender o que eu estou falando.

%d blogueiros gostam disto: