domingo , 15 setembro 2019
Início / Reviews / Harrison MixBus

Harrison MixBus

 

Antes de falarmos dessa DAW, devemos lembrar que a Harrison Consoles, sediada em Nashville-USA, é uma das maiores fabricantes de consoles, assim como Neve e SSL, coisa de Gente Grande.

Ha mais ou menos dois anos eles lançaram o MixBus, na época apenas para Mac OS e Linux, mas tive a oportunidade de um contato rápido e percebi o potencial desse produto. Mantive-o no radar. Semanas atrás, a Harrison anunciou a versão 2 do MixBus, incluindo a versão para Windows, minha plataforma. Muito bem, não poderia deixar de testar.

A Análise

Durante a análise, não avancei tanto nos inúmeros recursos encontrados no manual por pura falta de tempo, mas mantive o foco nas principais funcionalidades de gravação, edição e mixagem, sem Duckings nem automações.

Para quem já trabalha com Pro Tools, não muito a estranhar no MixBus, afinal, o MixBus parece ter sido inspirado na concorrência, com exceção da Mixer window, que são verdadeiros Chanel Strip Harrison, com controles de dinâmica (Como compressor, Leveler, Limiter), Equalização, Input Trim e HiPass, além de um charmoso sistema de mandadas de sinal.

Aliás, charmoso é o adjetivo adequado para essa DAW, que se mostro bem eficiente para trabalhos rápidos, já que tem muitos recursos à mão.

Para criar uma nova session, adicionar pistas, importar takes, endereçar os inputs para cada Pista, tudo é muito familiar ao PT, assim como a edição dos takes e os inúmeros controles avançados. Sendo assim, vamos adiante.

MixBus - Edit Window

Roteamento

Quanto ao roteamento, o MixBus trabalha com oito grupos Stereo nativos, que são utilizados à partir dos oito Sends existentes em cada Chanel Strip e podem ser utilizados para agrupar sinais pistas e/ou utilizar efeitos. Em cada um dos oito MixBus, além dos mesmos controles das Chanel Strips, um controle de Tape Saturation dá um tempero a mais no sinal. Também é possivel trabalhar com Side Chain nos Buses. Já o Master Bus, além de Tape Saturation tem também um meter calibrado em K-System 14, para monitoração no sistema.

MixBus Mixer Window

Um diferencial é a possibilidade de utilizar os plugins Pré ou Post Fader de uma forma mais flexível. Há também a possibilidade de criar Buses adicionais, roteando de forma diferente, em Direct Out, mas aqui está uma grande deficiência: ao endereçar duas pistas “panadas” em St, essas serão apresentadas no novo Bus em Mono. Testei de formas diferentes e confesso que não entendi esse propósito. Assim, para uma Mix mais complexa, pode ser que apenas oito grupos Stereo não sejam suficientes.
Os buses usados nessa session foram Violões, Pianos, Voz, Backings, Guitarra, Bateria Full e Bateria Comp. Paralela, sendo o baixo mandado direto para o Main Bus.

MixBus - Detalhes dos meters

 

Performance

Quanto à performance, tudo muito estável. O projeto escolhido foi a canção Immaculate, de Francis Dunnery, disponível em Multitrax aqui no Audio Reporter.

São 42 pistas rodando tranquilamente (sem plugins) e soando muito bem, graças aos controles de dinâmica, Eq, Tape Sat, algumas edições e Delays artesanais. Não foram feitas automações nessa Mix.

Os Bounces que fiz se mostraram pouco mais lentos que outras DAWs, mesmo com projetos de poucas pistas. Aliás, o formato MP3 não foi contemplado nessa versão ainda, mas WAV, AIF, CAF, FLAC, W64 (WAV 64bit), Ogg/Vorbis e RAW. Já está de bom tamanho…

Como era de se esperar para um fabricante de consoles, o MixBux não tem plugins nativos além dos controles citados acima, o que o coloca em desvantagem direta em relação aos concorrentes de mesma faixa de preço lá fora (US$250.00), já que o Cubase desde a vs.5 possui uma coleção fantástica de plugins nativos, o suficiente para um grande trabalho.

O preço de lista da Harrison é de US$219.00. No geral, nada mal pela baita ferramenta que é, mesmo com os pontos de melhoria (ao meu ver) a serem feitos. Uma ótima opção Low Budget, principalmente pela grande vantagem de ser distribuído eletronicamente, não sofrendo com os prazos, custos e taxas de uma logística internacional tradicional. Basta fazer o download no site e, caso queira se livrar dos incômodos e intermitentes chiados, basta comprar a licensa no site e pronto.
Fica então mais uma vantagem em relação à concorrência, pois algumas coleções de plugins podem também ser compradas por download, como a PSP Audioware. No fim das contas, ainda uma alternativa atraente.

Melhor que isso?

Até 07/02 será vendido ao preço promocional de US$149.00.

visite:  http://www.harrisonconsoles.com/mixbus/website/

Abrax!!
8¬)

Vinnie Azevedo é colaborador do Áudio Repórter, Produtor e Engenheiro de Mixagem .

No Twitter: @vinnieazevedo

Visite: www.kinemamusic.com.br

Sobre Vinnie Azevedo

Confira também

saiba o que é reamp

Saiba o que é Re-Amp

Aprenda um pouco mais sobre essa técnica muito utilizada o Re-amp

%d blogueiros gostam disto: